Sorria, você está sendo hackeado

Por Tempo de leitura: 2 minutos

HOJE, ESTAR NO MERCADO, FÍSICO ou virtual, olhando ou comprando, usando ou guardando, recomendando ou criticando, é estar hackeado.

Ter sua privacidade invadida e seus rituais espionados não é exatamente o que desejam os consumidores enquanto exercem seu direito de escolha e fazem suas compras. Alguns querem estar de acordo com o que ditam as modas da mídia, adquirindo aquilo que é propagado como bonito, tecnológico, divertido, cult, saudável, entre outros tantos atributos explícitos e implícitos em campanhas e promoções. Há quem queira ver e ser visto, compartilhando seus objetos de consumo nas ruas e nas redes sociais em busca de pertencimento a um determinado estilo de vida. E outros apenas precisam de determinado produto ou serviço para as suas necessidades básicas e procuram por variedade, praticidade, economia, rapidez e segurança.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Consumidores são aquilo que consomem e aquilo que deixam de consumir. Porém, o mercado é um espaço relacional parabólico, que capta sinais de necessidades e desejos, reais ou imaginários, que imediata e incessantemente são observados, absorvidos, abstraídos, transmutados e reenviados para o mundo em forma de produtos, serviços e informações – um fluxo incessante de conexões e experimentações. É neste processo que se estrutura o planejamento de gostos, que são mapeados, mantidos ou reinventados, e embalados, distribuídos e ofertados para manter ou gerar hábitos, que geram encomendas e compras e… tudo se repete com os devidos updates. Oh! Somos todos atores no mercado de ilusões, vivendo em comunidades imaginadas e participando de redes culturais transnacionais previamente planejadas e programadas, simulando a eterna busca por satisfação e a felicidade, mensuradas por dispositivos de inteligência artificial que retroalimentam o sistema de necessidades e desejos fazendo girar a economia? Há opções. De querer ser anônimo, por exemplo, ou de ser conhecido e respeitado, em um processo todo exclusivo e personalizado. Mas todas passam por uma análise dos seus dados e pelo seu consentimento, sem os quais não há como saber quem você é e o que você quer. É o paradoxo da proteção de dados: para acionar a sua segurança, é preciso passar informações, pois nenhuma empresa reconhece os clientes que não conhece. Por outro lado, como autorizar aquilo que não foi informado, como as imagens de câmeras que identificam consumidores e capturam seus gestos e olhares em uma situação de compra? Para Charles Montesquieu, “A liberdade é o direito de fazer tudo o que a lei permite.” Na visão de Jean Paul-Sartre, “Ser livre não é poder fazer o que se quer, mas querer o que se pode.” Finalizo com William Bulguer, para quem “Não há nada que melhor defina uma pessoa do que aquilo que ela faz quando tem toda a liberdade de escolha”. O que você escolhe?  
Tags:

Olá, tudo bem? Você já pensou em receber nossos conteúdos no seu e-mail?

Todos os dias, matérias exclusivas sobre a evolução da jornada do consumidor, tendências e comportamento direto na sua caixa de entrada. Cadastre-se agora e faça parte desse mailing.
É rapidinho!