Lifestyle e maquiagens criativas

Com o compromisso de trazer transparência na rotina do dia a dia ao público, a influenciadora Tabita Tonin conta quais são suas preferências de consumo

Por Tempo de leitura: 2 minutos

   Para quem vê a vida apenas através do Instagram, a vida de um influenciador pode parecer fácil. Mas, por trás das telas, o trabalho não é assim tão simples: são inúmeras as barreiras na hora de gerar engajamento, de lidar com as próprias parcerias de marcas e com o próprio público – parte mais importante de todo o processo. Muita gente, inclusive, se esquece de que, por trás das telas, o influenciador é tão humano quanto o espectador e, portanto, precisa refletir um sentimento sincero a quem o assiste todos os dias, seja nos stories, seja no feed comum. 

   Trazer essa transparência que o Instagram tanto distorce e falar sobre o bem-estar de uma forma acessível faz parte do trabalho da Tabita Tonin, influencer paulista de 26 anos, que também atua na equipe de Marketing do Enjoei. Com mais de 40 mil seguidores na rede social, Tabita explora bastante um lifestyle real e acessível e alinha tudo isso com uma série de maquiagens supercriativas.

   “Eu recebo muitos produtos, mas, quando faço compras, eu sempre avalio os produtos pela qualidade, e isso se reflete muito no preço. Produtos muito baratinhos me deixam desconfiada, ainda mais nessa área que sou mais presente, de cuidados com a pele”, conta Tabita sobre seu lado consumidora.

PUBLICIDADE

E-COMMERCE OU LOJA FÍSICA?

   “Como quase todo mundo depois da pandemia, perdi muito o hábito de frequentar lojas físicas, principalmente porque agora trabalho em home office.
A maioria das coisas que consumo é adquirida pela internet. Acho que a exceção que abro fora disso é o mercado e a farmácia, porque gosto de escolher minhas frutas, meus legumes e gosto de ir até a farmácia; o atendimento é rápido e eficiente”, destaca.

   Até mesmo para o consumo de maquiagens e produtos para a pele, que são campeões de trocas dos e-commerces pela diferença da tonalidade, ela prefere consumir on-line. “É mais fácil para eu identificar quando posso ou não comprar um produto pela internet. É lógico que comprar algumas coisas de forma física é bem diferente, e algumas vezes eu faço isso, mas é muito raro. Eu já tenho familiaridade com o mercado, mas acho que isso deve variar muito de pessoa para pessoa.”


+ Notícias

Human Centered Design: a redefinição da experiência foi atualizada

Hiperpersonalização: o que desejam os superconsumidores

Olá, tudo bem? Você já pensou em receber nossos conteúdos no seu e-mail?

Todos os dias, matérias exclusivas sobre a evolução da jornada do consumidor, tendências e comportamento direto na sua caixa de entrada. Cadastre-se agora e faça parte desse mailing.
É rapidinho!